Categorias
Desenvolvimento Pessoal Livros e Estudos

Você é um pato?

É interessante isso, quando somos crianças sempre temos a ideia de qual bicho gostaríamos de ser na vida e uns queriam ser o leão, outros as aves. E alguém por aqui já imaginou ser um Pato? Pense bem comigo, esse animal muitas vezes retratado como um animal meio fora de órbita e isso seria por quais fatos? Basta retornarmos a infância novamente e teremos a imagem do Patolino sendo passado para trás pela astúcia ligeira do coelho Pernalonga. E apesar das inúmeras tentativas do pobre pato de querer ser reconhecido pelo seu talento e ego exagerados, ele fica sempre em situações desagradáveis. E além de tudo, você já deve ter ouvido falar da expressão; “pagar o pato”? De acordo com o professor Ari Riboldi em seu livro Bode Expiatório, ele nos explica provavelmente as duas versões da história desta expressão:

Segundo conta Riboldi, em seu livro O bode expiatório, a expressão pode ter se originado em uma história do século XV. Um camponês passou em frente à casa de uma mulher casada, com um pato na mão. A mulher ficou interessada em ter o pato, e propôs ao camponês pagá-lo com favores sexuais. Mas o homem queria prolongar o ato, enquanto a mulher achava que já tinham feito sexo o suficiente para o que julgava valer o animal.
Os dois começaram a discutir e, em meio ao debate, chegou o marido da mulher, e quis saber porque eles discutiam. A mulher então explicou que a desavença era em função do dinheiro que faltava para chegar ao valor desejado pelo camponês. O marido deu o dinheiro. E, literalmente, pagou o pato.
A outra versão diz que, numa brincadeira antiga, um pato era amarrado a um poste. Os participantes deviam correr até o poste e cortar as amarras que prendiam o animal de um só golpe. Quem não conseguisse deveria pagar o pato.  (Fonte Terra)

E mais do que isso, hoje a expressão tornou-se uma forma de dizer que pagamos por algo desnecessário ou situação de desabono. Mas voltando a história de ser um animal, pense nas habilidades de um pato, e de fato elas são prejudiciais? Na minha humilde opinião, tenho até certa simpatia com esse animal, apesar das expressões jocosas que se remetem ao bicho. Pelo menos nos dias de hoje e na situação profissional que o mundo vive as pessoas deveriam ter algumas das características deste animal. E quais seriam elas? Digo rápido: Andar, nadar e voar. É recomendável que sejamos voláteis e multidisciplinares para que possamos alcançar os nossos objetivos, e assim como o pato devemos ter mais de uma habilidade para sobreviver nesse mundo competitivo. Alguns poderão afirmar que o pato talvez não as coisas de maneira eficaz, ou seja, não nada, nem anda e voa muito bem e que por isso é preciso se especializar de alguma maneira em uma habilidade para que possamos ter o foco e realizar as coisas corretamente. Podemos encarar isso como uma verdade, mas mesmo em uma área restrita é preciso ter várias habilidades para poder se destacar dos demais. E se você conseguir andar, nadar e voar quilômetros como um pato já está começando o caminho muito bem.

André Crevilaro


 

Por André Crevi

Freelancer | Creator @dinofauro | @PetitGuazu | Designer gráfico | Social Media | Jardinagem | Consciência |

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.